sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

A sorte...

... de encontrar alguém que esteja disposto a ficar do seu lado, mesmo conhecendo todas as suas excentricidades. Tem gente que diz que isso não existe mais. Felizmente, eu posso dizer que conheço alguns exemplos e, só isso, só conhecer, já é sorte o bastante.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Trec trec trec...

A simpática imagem acima é uma pseudo esfera. Ela é gerada pela rotação de uma curva chamada tratriz em torno de um eixo coordenado (o eixo-Oz). A tratriz, por sua vez, tem como característica que todos os segmentos tangentes a ela com extremos em um de seus pontos e no eixo têm o mesmo comprimento (nos exemplos "clássicos" dos livros, o comprimento é um).

Agora, porque é que eu falei isso tudo? Eis aí uma questão! Deve ser porque matemática também é cultura... Hehe

sábado, 3 de dezembro de 2011

"Through twisted streets...



... he ran, with nothing but the City Crest and an old stranger's voice to guide him."

sábado, 26 de novembro de 2011

Amor...


... não é apenas questão de dizer as palavras certas nas horas certas. Palavras são completamente fáceis, e amor exige um pouco de esforço.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

O pão de fôrma

"Nem sempre a gente conquista o que quer, do jeito que quer". Os últimos dias me têm sido emblemáticos nesse aspecto a ponto de cá estar eu enunciando tal lugar-comum.

Já te digo o motivo (ao menos o mais divertido): fui ao supermercado hoje, comprei um pão de fôrma, daqueles bons pra misto-quente (escrevi certo isso?). Tarefa simples, até eu chegar em casa e finalmente perceber que ele estava cortado "de comprido", não do jeito mais comum. Oras, obviamente não queria isso!

Na vida toda da gente é assim: com as melhores intenções vamos fazendo escolhas, e de repente nos percebemos com não exatamente o que esperávamos, acabamos com o pão cortado "de comprido".

Felizmente, a gente ainda tem sempre uma opção depois de se dar conta do "não era bem isso": decidir se o que você tem te basta do jeito que é ou não. E seguir com o que vier da sua decisão.

O fato é que as pessoas não vão agir como queremos, não vão se importar com o que nunca se importaram por nossa causa, os planos não vão sair como sonhamos, as ruas não vão levar todas ao mesmo lugar, os ônibus vão se atrasar e os pães virão cortados "de comprido".

Você pega o que é seu e carrega, ou vai em busca das novas imperfeições que te aguardam em cada vírgula. O meu pão? Cortei ele "direito" e fiz meus sandubas...

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Nostalgia Tracks

Cada fase da minha pacata cidadania tem uma trilha sonora. Teorizo que a de todo mundo tem, né? Houve um tempo em que eu ouvi bastante Aqualung. Resolvi fazer um brinde, então. Curtam! :)

domingo, 6 de novembro de 2011

Só o Fluzão...

... pra me inspirar a escrever de novo! Porque, que jogo esse de hoje! Não é qualquer jogo, uma vitória sobre o Inter em pleno Beira Rio, numa situação de disputa direta por vaga na Libertadores (no mínimo)!
Esse time quer! E quando o Fluzão quer, amigo...

O show tá começando!

Vamo que vamo, meu time!

sábado, 29 de outubro de 2011

Eu comigo mesmo

Às vezes, por mais que tenha gente contigo, você fica só. Uma solidão necessária: é aquela hora em que se senta à mesa, cara a cara consigo mesmo e tenta entender "Qual é a tua?". Então, fiz isso: coloquei num papel mental os tópicos mais importantes da minha pacata cidadania e analisei como tava cuidando de cada um deles.

Não gostei do resultado. É impressionante minha capacidade de fazer tudo virar um marasmo, mesmo as coisas que exigem correria por natureza, e depois acabar tendo que correr tudo no finalzinho. Como final sprinting não é minha especialiade, agora vou me organizar! Tá ouvindo, você aí na outra cabeceira da mesa?

É agora!

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Fazendo direito

Então que ontem eu recomendei o álbum novo do Camelo, mas o "aperitivo" que deixei foi uma participação dele no Sonora, que eu nem gostei. Acho que o álbum fica melhor apresentado pela música abaixo. Dá o play! :)

domingo, 16 de outubro de 2011

Links nerds da semana



Olá, caros leitores!
Fiquei um tempinho sem postar, mas retorno com coisa boa. Algumas recomendações, pra ser mais específico.

A primeira: o novo disco solo do inesgotável Marcelo Camelo, "Toque Dela", escutado e aprovado! Bem no estilo do álbum anterior, que (agora não tenho certeza, mas acho que) se chamava "Sou".
Pra uma prévia, você pode assistir o especial do Marcelo no SonoraLive, que foi onde eu fiquei sabendo do álbum, inclusive. Só não consegui terminar de assistir porque a apresentadora é muito só-mais-um-rostinho-bonito pro meu gosto...

A segunda, uma descoberta que fiz hoje: a rádio da Federal do Rio Grande do Sul, que você ouve pela net mesmo, bem aqui. Eu até ia dizer que tipo de música rola lá, mas resolvi não estragar a surpresa. Hehe

Pra terminar, nunca é demais um tributo a um clássico e nesse sentido recomendo o remake do Super Mario Bros 3 de NES que você joga direto do Facebook. É só clicar aqui.

Pronto, caro leitor! Espero que pelo menos um dos meus links nerds faça de você alguém mais feliz. E, se esse for o caso, comenta aí.

Abraço, e vamo que vamo!

PS.: Apesar do título, eu não pretendo fazer minhas recomendações alopradas toda semana. Só doideira mesmo.
PS. 2: Marcelo Camelo, UFRS e Mario: tudo a ver!
PS3: um dia eu compro um. =)

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Clarice

Os cultos leitores me perdoem a desavergonhada ignorância da confissão mas, salvo textos soltos de livros de escola, eu nunca tinha lido Clarice Lispector. Até hoje. E, não por coincidência, eu há tempos não tinha comido um livro como fiz. Comi, devorei.

Sentia falta, já há muito, de alguma coisa que não sabia o quê, já que minha vida é boa. A resposta veio do ato (quase) "desplanejado" de comprar essa compilação de crônicas. O que me faltava era isso, seja lá o que for, e me sinto de uma forma estranha (apesar de já conhecida) saciado. É bom ler Clarice e sua maestria de transformar nada ou qualquer coisa num espetáculo sem sequer usar pirotecnia. Uma habilidade comum aos grandes gênios e que realmente me prende. Três frases e você já está mergulhado, e só volta à tona quando acaba.

Vou ler de novo, devagar, agora pra saborear. Afinal, não é sempre que se descobre um tesouro sem o estar procurando.

PS.: Taís, não esqueço: você que me sugeriu ler alguma coisa não-acadêmica. Obrigado de novo! :)

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

IaBADAbaduuuu.... :S

Bom, prometi que contaria em breve minhas primeiras impressões sobre o meu Samsung Wave S533 e resumi-las-ei em duas sentenças:

- Não tem aplicativo que preste compatível com o SO;
- O fone de ligação deu pau do nada, sem ter caído uma vez sequer, com MENOS DE 15 DIAS de uso.

Sem mais...

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Versos seus



Carregue saudade, como eu,
mas não tristeza!
Que a vida é bonita,
o dia sorri largo,
o vento acaricia
e a chuva lembra nós!

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Desaprendemos?

As pessoas reclamam de terem relacionamentos frustrados, terminando cada vez mais cedo e por motivos mais fúteis, e ficam procurando os motivos pra tantos fins à jato. Pra mim é meio claro o motivo: ninguém se guarda mais pra ninguém, nem pra si mesmo. Sentimento é, em certo sentido, igual a dinheiro: se você poupa, você sempre tem um pouco pra enfrentar as épocas de crise. Mas se a política é do "coma o quanto puder", aí, dia de muito é véspera de nada, né?

Relacionamento, muito mais que amor, paixão ou como queira, exige tempo, paciência e habilidade para engolir sapos de vez em quando. Exige prática, investimento de muito numa pessoa só, mas esse muito tem que ser diluído ao longo do tempo. Doses homeopáticas, porque quanto mais rápido você se joga, mais rápido dá com a cara no chão.

A gente tá chegando aos vinte e poucos vazio de qualquer romantismo ou esperança de poder olhar pra uma pessoa e dizer: "eu te gosto, de verdade", só porque construir e preservar isso custa tempo (principalmente quando o mundo é esse grande self-service sem balança); só porque é mais fácil dizer "eu te amo" no primeiro enontro, fazer tudo que dá na telha no primeiro mês (ou ano, que seja), e aí esvaziar a história de qualquer sentido, utilidade, efeito psicológico ou motivo para dar certo por mais tempo.

A Taís certa vez me deu um conselho que pretendo nunca esquecer. Em outras palavras ela me mostrou o seguinte: se você quer que uma história dê certo, se ela der certo, vai chegar um momento em que a coisa que você mais vai fazer com sua companheira vai ser, simplesmente, conversar. Nada mais. Isso é tão óbvio quanto ignorado por todo mundo. Porque se isso fosse levado em consideração, nossas preocupações ao escolher um alguém não seriam se esse alguém tem dinheiro (coisa que vai mudar com o tempo, pra melhor ou pra pior, mas muda), ou se é bom de cama.

"Ah, mas eu tenho que viver o agora!". É, e "viver" virou sinônimo de "Aaah! Vamo cair pá dentroo!" e toda essa entrega ao instinto e à selvageria (e eu não me refiro apenas a sexo aqui, não seja simplista!).

Não é à toa que o casamento é visto como instituição falida. Todo mundo desaprendeu!

PS.: A interrogação no título do post não passa de eufemismo de um otimista.

domingo, 4 de setembro de 2011

Promoção

Última novidade da promoção Mastercard® Surpreenda: Compre um Ricardo Teixeira e leve de brinde um Fielzão totalmente superfaturado!

"Algumas pessoas têm princípios. Para todas as outras existe Mastercard®"

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Fanatismo

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és sequer razão de meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida…
Passo no mundo, meu Amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

“Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, vivo de rastros:
“Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: princípio e fim!…”


Soneto "Fanatismo", de Florbela Espanca.

domingo, 28 de agosto de 2011

Voar por terras distantes...

Achei essa relíquia no Youtube e tive que compartilhar! Ah, minha infância... hehe

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Music ♪

Então que numa noite qualquer, pensando numa certa menina, acabei achando a música que eu nem tava procurando. E aí, à exceção da ausência, tudo se fez perfeição.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Across the Universe...

... é um filme/musical que conta a história de um casal e seus amigos mais próximos num enredo que é embalado pelas inesgotáveis (em sentido e sentimento) canções dos Beatles. Como não poderia deixar de ser, os trechos de romance se intercalam com os de drama e psicodelia, bem ao estilo da época em que se desenrola a trama (nota do redator: "bem ao estilo da época em que se desenrola a trama" é um lugar comum mais imperdoável do que... bom, uma coisa bem imperdoável; portanto, não siga meu exemplo, seja criativo ao redigir! :)). Programa recomendadíssimo pra quem tem tempo que não vê nada bom por aí. A seguir, um aperitivo!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Nova ondinha



Como todo bom nerd (apesar de eu não sê-lo), entrarei na ondinha de testar o novo SO'zinho pra smartphones, o bada, da Samsung. Se presta? Certamente direi um dia aqui, assim que botar as mãos nele! Hehe

É legal essa parada da ansiedade que dá quando você compra um gadget novo e tem que esperar chegar, por uns dias. Emocionante ficar imaginando os recursos, os jogos que você vai instalar... Reafirmo: eu não sou nerd! :)

Bom, ao final desse post inútil e desinteressante para a maioria de vocês, meus leitores, pessoas lúcidas e cultas, só me resta saudar-vos:

Abraço, e vamo que vamo!

domingo, 14 de agosto de 2011

Idade

A pessoa sabe que está ficando velha quando acorda, instintivamente, às seis da manhã, inclusive aos domingos e feriados...

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Care.

Pode a rotina ser estressante, podem os caminhos ser longos, pode ser frustrante não obter o que se espera no trabalho, pode o seu time não se resolver logo de uma vez! Mas basta uma pessoa te cuidar direito, que tudo isso vira detalhe.

A vida é bela pra quem tem um anjo. Que eu saiba cuidar do meu...

sábado, 6 de agosto de 2011

Do you speak internetish?

Eu não entendo mesmo o internetês e seus adeptos. Por exemplo, eles conseguem escrever "aqui" com cinco "a"s, três "q", dez "i"s e ainda um "y" no final que sequer sabe como foi parar ali, o coitado. Por outro lado, quando a gente percebe, numa conversa com esses seres, algum erro de ortografia realmente inaceitável e gentilmente o aponta, a resposta é: "Ah, foi mal. É que eu escrevi com pressa."

PRESSA?! Não creio, pequeno gafanhoto. Seria pressa, seu filho de uma pobre e envergonhada de sua prole senhora, se você não tivesse escrito seu próprio nome, aí em cima na tela, com uma letra maiúscula e uma minúscula intercaladamente. Se você não tivesse acrescentado oito vogais a ele e não tivesse escrito, entre seu primeiro e segundo nomes, uma underline E um espaço. Aí, eu acreditaria que você tem pressa. Se essas malditas borboletas, sóis, arrobas, carinhas felizes e caracteres do alfabeto cirílico não estivessem aí, eu creria de bom coração na sua pressa. Mas não me venha com essa, não!

Dá pra admitir que um adolescente\jovem\até adulto, vá lá... não escreva magnificamente, cometa deslizes às vezes, ainda que bem feios. O que não dá é errar e achar bonito. Ser analfabeto com orgulho, mesmo tendo oportunidade de não ser. Isso é que não dá pra admitir. Inventar uma mentira e acreditar nela, só porque é menos trabalhoso que resolver o problema.

Essa nossa cultura de exigir pouquíssimo e aceitar ainda menos que pouquíssimo vai acabar... bom, vai acabar dando merda! Com vinte "a"s e trinta exclamações.

domingo, 31 de julho de 2011

Terapia

Como eu já disse mais de uma vez por essas redes sociais da vida, ver gol do Flu é terapêutico! Hoje, então, foi um tratamento completo!



sexta-feira, 29 de julho de 2011

Só junto

imagem por mbennion, via deviantart.com.


E você está aqui agora,
tanto quanto estamos distantes
E nossos esparsos dias
Preciosos
Nos esperam outra vez

Essa espera feliz
do nosso abraço suspenso
Que os quilômetros
Impotentes
não se atrevem a superar.

domingo, 24 de julho de 2011

Domingo chuvoso



Existem dois tipos de domingo: os normais e os que amanhecem com chuva. No segundo caso a gente experimenta a sensação de que o tempo está suspenso, resolveu tirar uma folga e toda hora parece sete da manhã. São excelentes oportunidades, esses chuvosos, pra colocar em dia o descanso e os pensamentos, porque eles nos tiram do habitual sentimento de estar correndo uma maratona.

Hoje, então, vou aproveitar essa ilusão de tempo infinito, enquanto ela dura. Bom domingo pra vocês. :)

sexta-feira, 15 de julho de 2011

sábado, 9 de julho de 2011

Ao avesso

Tenho gosto pelo passado. Não raro me pego comparando onde estava com onde vim parar, buscando alguma pista de pra onde vou. Sobre isso, o último ano me fez concluir: não faço a menor idéia (com acento, em forma de protesto)!  Janeiro de 2010 minha preocupação era conseguir algum emprego pro ano seguinte, já que meu contrato no de então estava acabando. Corta pra julho de 2011: estou num estado diferente, morando num lugar que sequer conhecia, realizando o objetivo - que parecia muito distante - de continuar estudando, concursado e vivendo o desafio de um namoro à distância. Do que eu tinha "planejado", só o fato de conseguir o emprego saiu nos conformes. O restante tem saído melhor que a encomenda, graças a Deus.

E tenho uma teoria (que tá mais pra crença): as coisas em geral não saem como você tenta prever, mas por outro lado não se colhem maçãs onde se plantaram uvas. Por mais que a vida tome rumos complexos, o que vai te acontecer amanhã depende fortemente de pra onde você foi hoje. E meus momentos flashback só reforçam essa idéia. Daí vem meu gosto pelo passado: mesmo que não diga exatamente pra onde vou, me explica como é que cheguei aqui. E isso não é pouco. A vida não é um mero amontoado de circunstâncias e coincidências.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Google+ e Blogspot novos: primeiras impressões.

Certo, não pude conter o ímpeto nerd e dedico este post às primeiras impressões das novidades da gigante Google (em mais um passo do seu plano para dominar o mundo... O quê? Você não sabia? muaahahaha). Primeiro, o blogspot (a parte de gerenciamento) ficou um porradilhão e tanto de vezes mais elegante. A funcionalidade eu ainda não pus à prova, exceto para publicar esse texto (e, se você o vê, funciona! :)), mas visualmente achei muito mais interessante.

Agora o Google +. As vantagens, em relação ao Orkut, que eu pude perceber:

- Visual muito mais limpo (visual do Orkut nunca foi uma maravilha e, na minha opinião, só veio piorando);
- Integração com muitos outros serviços Google, como o Web Albums e os Perfis, além dos que o Orkut já suportava.
- O jeito estiloso e divertido de organizar os contatos em "Círculos" deve realmente melhorar a experiência social.
- Os Hangouts (bate papo por vídeo), se funcionarem (ainda não pude testar), prometem ser bastante úteis, principalmente pela simplicidade. Vai ser divertido.

O que vai dar dor de cabeça é que, provavelmente, a galera que não tem uma banda larga de verdade (f***ing Vivo) deve passar alguma dor de cabeça poder pra usar tudo que a nova rede oferece.

Em resumo: com a iminente relegação do Orkut ao limbo do cyberespaço, creio que essa plus foi uma bola dentro, principalmente porque todo mundo gosta de novidade e a plus traz muitas. Vamos ver se vai ter vida longa...

A propósito, quem quiser um convite, só comentar. Aliás, comente mesmo que não queira convite. Hehe

Abraço!

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Todos têm um ideal

Acho legal como ultimamente todo mundo tem algo pelo que lutar. Esse primeiro semestre foi lotado de passeata, protesto, paralisação, greve, trending topics politicamente engajados.

Interessante, fenômeno raro no Brasil pós-Collor. O triste é a síndrome do fica-tudo-por-isso-mesmo. Mas já é um avanço, pelo menos o povo começou a se mexer.

PS.: Quando ouvi Yann Tiersen na novela das sete, sabia que esse ano teria algo diferente. Vem aí 2012. Medo...

domingo, 19 de junho de 2011

Eu DEFINITIVAMENTE quero um desses!



Amigos de plantão, o PS Vita deve ser lançado lá pra outubro e meu aniversário é em dezembro, portanto, já sabem que presente me dar, podem começar a fazer a vaquinha aê... hehehe

São DUAS PALAVRAS!

Fico impressionado com a quantidade absurda de gente que acha que existe "concerteza". Será que não pensam no que estão escrevendo, não sabem o que significa? Vou até dar uma verificada, porque já tô achando que eu é que tô mal informado...

Update em 27/06: Achei agora uma variante do "concerteza", seu primo pobre, o "conserteza". Ah, a evolução!...

sexta-feira, 10 de junho de 2011

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Ê, tempo que não abre!...

A maré não tá muito boa nesses últimos dias... Coisas sem sentido andam acontecendo e eu não estou gostando.
Mas a gente segue acreditando, se não muito nas pessoas, pelo menos na vida. Tudo vai ficar bem....

segunda-feira, 6 de junho de 2011

O tempo fechou! 2 - A vergonha capixaba

O povo aqui da capital resolveu ir às ruas contra o aumento da passagem dos ônibus (a facada agora é de R$ 2,30). O governo reprimiu duramente o protesto (que até onde eu sei foi pacífico antes da chegada da polícia, apesar de ter interditado umas avenidazinhas importantes) e depois colocou um recadinho de conto-de-fadas na TV pra fingir que tá enganando alguém.

O vídeo a seguir mostra as cenas do conflito entre polícia e manifestantes enquanto é executado o comunicado descaradamente mentiroso educadinho do governo. Assita e tire suas conclusões.



O verdadeiro comunicado do Governo do Espírio Santo from Sou estudante sim on Vimeo.

sábado, 4 de junho de 2011

O tempo fechou!


Essa foto aí é de Vitória, hoje, mal eram 5 da tarde. Num instante estava tudo claro, e rapidinho a tarde virou noite. Foi sinistro! hehe

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Bolsa "prantinha"

A presidentA, em mais uma de suas ações de combate à pobreza (e incentivo à preguiça, vez que não tem cunho provisório), lançará agora o "Bolsa 'prantinha'". O texto é do r7.com:

O Brasil sem Miséria, novo programa do governo federal para combate à pobreza extrema, dará R$ 300 para preservação ambiental. A chamada Bolsa Verde será voltada para as famílias que vivem com até R$ 70 por mês e que promovem a conservação ambiental.
O dinheiro será dado a cada três meses para as famílias que preservarem florestas nacionais, reservas extrativistas e promoverem o desenvolvimento sustentável. O valor será transferido por meio do cartão do Bolsa Família.
A presidente Dilma Rousseff e o MDS (Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome) lançaram nesta quinta-feira (2), em Brasília, o programa de combate à miséria, que inclui, além da Bolsa Verde, uma série de ações para brasileiros que vivem no campo e na cidade.
O que vai aparecer de defensor do meio ambiente não vai ser brincadeira!
O que dizer? "Vai planetaaaa!"

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Nós, robôs.

As pessoas precisam de axiomas. É interessante como os séculos passam e a gente continua não se dando ao trabalho de questionar as "verdades absolutas" que nos ensinam desde pequenos. Tais verdades têm um poder assombroso e, quando encontram uma mente sagaz o bastante para usá-las convenientemente, mudam a vida de um número considerável de pessoas. Para melhor ou para pior.

É a crença cega que sustenta, ainda hoje, grupos que, em si mesmos, já não têm razão pra existir (supondo que um dia tiveram). Foi esse tipo de raciocínio que deu poder a Hitler, ou antes, à Santa Inquisição. É esse tipo de crença que ainda hoje causa espetáculos de violência gratuita após as partidas de futebol pelo mundo, enriquece líderes religiosos, faz os Estados Unidos terem uma boa desculpa pra invadir outros países (eles juram que acreditam que são responsáveis por manter a ordem no mundo), sem contar com outras injustiças "menores" mas igualmente desprezíveis.

Enquanto houver gente disposta a seguir piamente qualquer doutrina, de qualquer espécie, não haverá espaço para o bom senso. O mundo nunca vai passar de um amontoado imbecil de grupinhos que se fecham na sua ignorância bem vestida, mutuamente indiferentes ou inimigos.

E eu fico imaginando como isso pode ser o suficiente pra tanta gente...

sábado, 28 de maio de 2011

A final

Essa final da Champions foi tudo que se esperava dela: um jogo memorável. Se você perdeu (ou, como eu, gosta de rever 1000 vezes os lances bonitos), curta aí os highlights:



video

segunda-feira, 16 de maio de 2011

sábado, 14 de maio de 2011

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Sadless-men algorithm

Ouça a música certa,
Pense na pessoa certa,
Ria em qualquer medida,
chore na medida certa.

Saia na chuva certa,
caminhe na rua certa,
corra em qualquer medida,
descubra também.

Assista ao filme certo,
escreva na hora certa,
fale com qualquer amigo,
pense em coisas difíceis.

Pegue leve na medida certa
pegue pesado também.
Cresça devagar
Volte pra infância sempre.

Ande, saia do lugar.
Pule mais alto,
Corra mais longe,
Sorria mais largo.

Só, acompanhado,
perto, longe...
Abraço não depende de distância.
Carinho menos.

Aprenda,
Esqueça,
Viaje,
Aprenda de novo.

Não acabou.
Não acaba.
Duvida?
Ouça a música certa.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Pedalinho na enchente

Mais uma da série "só no Brasil, mesmo". Aqui pertinho, em Vila Velha - ES, os moradores andaram de pedalinho no meio da rua, durante (mais) uma enchente. Confiram o vídeo e repare no comentário do carinha sobre o IPTU:

terça-feira, 19 de abril de 2011

É questão...

de ter com quem contar, pra quem contar, mesmo sem ter o que contar, às vezes.
É simples, apesar de não ser fácil.

"As idéias muito simples são difíceis de aceitar..."

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Hope for the future

Quer saber a história do filhote? Clique aqui

Hoje tá sendo um daqueles dias em que a gente acorda inexplicavelmente feliz. Não tem nada demais, mas parece que tá tudo certinho, no lugar.

Não sentia isso há um bom tempo, engolido pela correria de trabalho e estudo. Hoje é um dia bom.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Summer 78

Como se não bastasse a música ser linda, o clipe também é bastante interessante. Não tem como cansar de ouvir Yann Tiersen.

domingo, 3 de abril de 2011

Preciosidade

A seguir, um link pra uma playlist do Youtube com uma seleção de 41 músicas do Yann Tiersen. Pra favoritar e ouvir naquelas horas de reflexão. :)

Clique aqui pra assistir.

sábado, 2 de abril de 2011

Quanto mais eu conheço as pessoas,

mais confio nos meus livros (cachorros dão muito trabalho). Digo isso porque não paro de me surpreender com a capacidade que a gente tem pra inventar motivos pra separar, desunir. A dinâmica é a seguinte: você cria um grupinho, que tem em comum alguma característica qualquer que você julga importante. Conforme esse grupinho vai crescendo, vocês descobrem que é divertido criar regras pra julgar quem não faz parte dele, ou impedir, por motivos cientificamente fundados, baseados nos clássicos postulados da teoria do jegue, que alguém com algum predicado específico, escolhido conforme a conveniência, não possa fazer parte daquele grupo e, portanto, da sua vida.

Embora pareça, não estou falando especificamente das tribos urbanas, contra as quais não tenho nada (e a favor das quais tenho menos que nada). Falo de quase todos os tipos de associações que o ser humano foi capaz de inventar. De rodinha de amigos na praça a partido político.

Não tenho nada contra que as pessoas se dividam em grupos de interesse comum. O que me incomoda é a atitude fanática e medieval de separar as pessoas em "presta" ou "não presta". Principalmente quando se usam critérios sem nenhuma lógica, como a religião.

Felizmente, tem gente que com sua história de vida me deixa mais tranquilo, sabendo que a sensatez ainda tem lugar em alguns pontos do planeta, como a Tais.

Otimista que sou, acredito que o bom senso ainda há de reinar. Esperemos.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Fala, garoto!



Interessante característica dos nossos adolescentes: eles tentam falar, eles tentam gritar, eles tentam cantar, mas só saem reticências...

domingo, 27 de março de 2011

Home alone

No momento em que escrevo, estou experimentando uma sensação que costumava me fazer companhia em grande parte das noites na minha pacata cidadezinha baiana. É um misto de solidão com paz, que acaba resultando um sentimento novo, dá uma inexplicável esperança de que tudo vai ficar bem (não que já não esteja) e que amanhã, apesar de eu saber que vou me matar de trabalhar (segunda-feira é o dia mais cruel da semana pra mim), vou conseguir fazer tudo sem muito estresse.

Fazia um tempo bom que não sentia isso, nem lembrava mais como era e, sem saber, estava com saudade. Interessante que existem essas pequenas coisas que nos fazem diferentes de um jeito sutil, tanto que nem nos damos ao trabalho de perceber...

quarta-feira, 23 de março de 2011

Melhor que a encomenda!

Vou começar me retratando. No último post teci "elogios" nada cavalheirísticos (se é que isso existe) ao presidente do Flu, os quais faço questão de retirar agora. O cara tem visão. Fez uma oferta de contrato de três meses ao técnico sem nome (e, portanto, não muito caro) pra esperar o técnico de verdade, no caso o Abelão, voltar das Arábias. Seria uma jogada arriscada, mas que eu (e muito mais gente) apoiaria, principalmente dadas as opções que temos de técnico no mercado agora e, mais que isso, a empolgação que o Abel demonstrou em voltar a trabalhar nas Laranjeiras.

E, aquelas coisas, futebol é lindo porque de um dia pro outro as coisas mudam radicalmente! O carinha recusou o convite do Flu, o Enderson  - novo interino-permanente (seja lá o que isso signifique) - fez as alterações óbvias no time, e mostrou uma qualidade que o pretenso know-it-all do futebol, o ex-celentíssimo (gostou do trocadilho? hehe) Muricy não tem: coragem de botar o time pra frente quando precisa ganhar.

Todo ser humano com 256 MB de disco rígido encefálico percebeu que o time, hoje, finalmente estreou no ano. Não que tenha jogado um futebol lindo, que desse gosto de ver, mas mostrou uma vontade inédita em 2011 (alguns, vontade até demais, como o Digão e o Berna, que se atrapalharam mutuamente mais de uma vez), mordeu o tempo todo, teve gana, acreditou nas jogadas. Até o Julio Cesar, que já nasceu em ponto morto, brigou por alguns lances. O Time de Guerreiros mostrou novamente as caras.

Foi muita coisa pra perceber, esse jogo contra o América foi cheio de detalhes interessantes. Como o Fred que, após o segundo gol deles, ficou claramente abatido, nem comemorou direito o segundo nosso e (ao menos paraceu que) foi às lágrimas no terceiro nosso. E o Deco? Caraca, o Deco finalmente disse a que veio! Jogou o que sabe, deu o segundo gol de presente pro Araújo e fez o seu, decisivo, num lance que, se tivesse sido coreografado, não teria saído tão peculiar. A cabeçada do Fred era pro Deco, mas saiu completamente torta e o zagueiro do América, como que numa reverência ao nosso esforço, fez questão de ajeitar a rota. Merecido! Merecido pelo que foi o Fluminense no jogo, pelo que fez o nosso presidente hoje mais cedo no programa do SporTV, esculachando com toda elegância o Fanfarrão Ramalho (pediu pra sair, não é caveira!), defendendo a instituição, rindo na/da cara da FraPress enquanto o Abelão, lá do Sei-quê-lá-quistão mostrava pro Brasil o que significa mesmo ser tricolor.

Tem mais ainda! O destino ainda tratou de achar um substituto à altura do até agora inispensável Mariano na lateral direita, o Souza, de dar ao Conca um companheiro tão qualificado quanto na criação, o Deco, e de dar uma moralzinha pro hoje esforçadíssimo Araújo. Quase todo mundo que chegou resolveu estrear hoje! O He-Man não apareceu, mas tá com crédito e o Edinho... bom, deixa pra lá...

O fato é que o gigante despertou, o Time de Guerreiros tá de volta e esperamos que continue por aí. Pro bem dessa arte que se chama futebol.

PS.: O Fluminense definitivamente adora flertar com o perigo. Nada é fácil, e, por isso mesmo, tudo é emocionante.

PS. 2: O Gum é o próprio espírito do Time de Guerreiros. Valente, tá sempre lá quando a coisa fica realmente feia. Um herói.

PS. 3:Domingo, se o time entrar mordido como entrou hoje, promessa de um grande jogo contra o Vasco, que tá em meio a um de seus acessos de time grande. Vamo que vamo! Agora que tá ficando bom!

segunda-feira, 21 de março de 2011

Só pode ser brincadeira...

O Vasco tem uma peculiaridade interessante: às vezes se finge de time grande. Como fez ontem, contra o Botafogo. O meu Flu, por outro lado, tem uma peculiaridade irritante: volta e meia se faz de time pequeno. Como agora, anunciando a contratação do incógnito Gilson Kleina. Não conhece? Também não sabia da existência desse indivíduo até uns poucos minutos atrás, e adoraria ter continuado ignorante.

Eu realmente não sei o que se passa na cabeça do filho da p.... presidente de um time grande pra, após a demissão do técnico que ganhou 4 dos últimos cinco campeonatos brasileiros, contratar o "renomado" Zé Ninguém, que estava trabalhando na "poderosa" Ponte Preta. Tá de palhaçada comigo! Deixa o cara quieto lá no timeco dele! Pelo menos não expõe a instituição Fluminense a um ridículo desses.

O grande problema do Flu, aliás, é esse: é grande demais, e sempre adminstrado por gente de mente pequena demais. Mas brincadeira tem hora, e definitivamente, não era agora!

Só me resta torcer pra que eu queime a língua e esse cara seja o novo José Mourinho tupiniquim encubado... Queiram os céus que dê certo!

sábado, 19 de março de 2011

Devaneios...

Tenho poucas certezas na vida. E quando a questão é o que pensam sobre mim, tenho nenhuma. Na maior parte dos casos, isso também não faz diferença. Mas um pequeno e seleto grupo goza da particularidade de ser importante, e é aí que está.

Quando não consigo entender qual é a lógica sob a qual funciona a singela mente de uma dessas pessoas importantes, fico bastante intrigado e desapontado com minha pretensa capacidade de observação. Enxergar nas entrelinhas do comportamento de alguém costuma ser uma tarefa não muito penosa pra minha sagacidade, mas tem gente que complica tudo!

Principalmente as mulheres. Os homens são em geral fáceis e previsíveis. Um homem só quer crescer, se desenvolver, reproduzir, jogar bola e videogame, envelhecer e morrer... É simples. Homens, por mais que sacaneiem, não tem definitivamente vocação pra complicar as coisas. Se uma mulher cai "na lábia" de um homem, é simplesmente pelo fato de que ela quer se deixar enrolar (não me pergunte os motivos que levam alguém a querer se deixar enrolar, eu não sou mulher pra saber!).

Mas o outro lado não. A mulher tem o dom de complicar as coisas. Ela te diz: "amor, tô morrendo de saudade" e depois resolve simplesmente não atender suas ligações (se isso faz sentido pra você, me explica aí, por favor...). Sonha a vida inteira com o príncipe encantado (quer dizer, a maioria, pelo menos, porque, como não poderia deixar de ser - dada sua complexidade -, boa parte já arranjou sonhos "maiores" que o tradicional conto de fadas, mas enfim...) apenas pra, quando aparecer esse cara disposto a ser cuidadoso, gentil, fiel, sei-quê-lá, sei-quê-lá... ela ter a oportunidade de meter uma rasteira no cavalo do indivíduo e deixá-lo com cara de pastel, estatelado no chão.

Falando sério agora. Claro que generalizei e fiz uma caricatura da situação nos parágrafos acima, mas foi de propósito. Estava precisando traduzir de alguma maneira o modo como me senti diante de uma coisa que aconteceu ontem (e é pra isso que serve um blog, não?). Mas, assim é a vida: com tanta coisa pra fazer, tanta gente e tantos lugares, tá cada vez mais difícil (ter tempo de tentar) entender as pessoas, cada vez mais difícil se comprometer, se dar ao trabalho de promover alguém ao posto de "companheiro(a)". E eu sei que isso tem nada (ou muito pouco) a ver com ser homem ou mulher. Amar é, cada vez mais, uma arte.

quinta-feira, 17 de março de 2011

Bacanal polonês

Deu num jornal de grande circulação aqui do ES que os poloneses estão usando de um artifício, digamos, criativo para não pagar imposto: cerca de 10% da população declarou ao fisco que se dedica à prostituição. De acordo com o jornal, lá os que se declaram "profissionais do sexo" não precisam declarar essa receita ao fisco.
Imagina se a moda pega...

domingo, 13 de março de 2011

Ô Ryu, cê tem twitter?

Há uns dias tava conversando com a Jullie do Sinta o Amor, e ela me perguntava se eu tinha twitter. Respondi que não tinha, porque achava que isso era pra pessoas que, como ela, sempre têm algo interessante pra falar.

Bom, mudei de ideia. Agora acho que twitter é pra quem tem sempre algo interessante pra falar e... bom, pra mim também. Hehe.

Então, quem quiser, segue aí: @marianodsl.

Abraço, e vamo que vamo!

Standing in Silence



Mais no Aniboom

sexta-feira, 11 de março de 2011

A distância...



... torna tudo mais complicado. É preciso ter paciência, é preciso ser sábio, é preciso confiar e dar um jeito de estar presente. É viver um dia por vez. É difícil!

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Beatles once again

O grande barato das músicas dos Beatles (ao menos daquelas que gosto mais) é que falam grandes coisas falando de coisas pequenas. Muito bom de ouvir. Apreciem:

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Isso é incrível!

Prepare-se para cenas REAIS (acredite ou não) e chocantes!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Victory!

Sabe quando você quer tanto uma coisa que demora a cair a ficha quando consegue? Exatamente como me sinto. Por muito tempo, desde os últimos passos na licenciatura (do meio de 2008 pra cá), me senti insatisfeito comigo mesmo por não estar produzindo nada de interessante, nada de novo. A sensação era de que eu tinha parado de pensar, de criar, e me acostumado com uma situação apenas medíocre. Em parte, não era só sensação. Isso estava realmente acontecendo, mas tinha um detalhe importante: a vontade de sair do lugar.

Certo que demorei pra transformar essa vontade em algum movimento significativo, mas, quando fiz, as coisas simplesmente começaram a acontecer e essa semana eu recebi a melhor notícia da vida (ganhando por muito da segunda colocada): fui selecionado pro mestrado da UFES. Lembro que ano passado, a essa época, estava voltando pra Bahia com um gosto meio amargo na boca, efeito de desempenho ridículo nas duas provas do mesmo processo seletivo no qual agora, modéstia no lixo, mandei bem pra caraca.

O fato é que isso prova, mais uma vez, que Deus é muito esperto. Sabe das coisas!

Ano passado eu não estava preparado pra isso aqui, pra vida que eu tenho agora, nem maduro o suficiente pro Mestrado. Sabendo disso, o que Ele fez? Falou: "Mariano, filho, prestenção! Fica quietinho aí que tu ainda tem que merecer."

Aí, durante o ano passado, ele me deu um emprego estável, me fez mudar de cidade (e estado!) no meio do ano (tendo, portanto, um semestre inteiro pra me acostumar aos detalhes de morar numa cidade grande), me deu uma companheira sempre presente e tranquila, que me deu paz e norte durante o período de adaptação e até agora, e, por último, me fez passar por tudo de novo no processo seletivo. Dessa vez, as circunstâncias eram bem outras, assim como foi o resultado.

Eu estava mais tranquilo, por estar empregado, estava mais habituado aos conceitos do curso e, principalmente, fui muito disciplinado (4 horas de estudo todo santo dia, durante as férias! Janeiro e fevereiro inteiros!), graças à "nerdisse" acumulada do Jerfesson, grande baiano e figura, que, aliás, também foi recompensado pelo sofrimento com todas aquelas listas de exercícios e vai fazer o mestrado.

Essa é a vida: as coisas só acontecem quando tem que acontecer. E, agora que aconteceu, digo pra vocês: é bom demais! Esse gosto de vitória vai demorar um tempo pra sumir...

Mais do que nunca, vamo que vamo!

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Vamos acabar com o Português.

Me convenci disso hoje. Visitando blogues, orkuts, e afins aqui e acolá, cheguei à conclusão de que o mais lógico é isso: acabar com essa palhaçada de português. Ninguém usa mesmo... Doze de cada dez blogues que visitei exibia todo o esplendor dos mais grotescos erros que a fértil mente do seu autor foi capaz de inventar. Aliás, não é à toa que tais mentes são tão férteis: adubo orgânico é o que não anda faltando, se entendem o que quero dizer...

Cada um inventa sua própria ortografia (e, não raro, sintaxe e gramática também) e escreve lá aquelas coisas horrorosas, demonstrando toda a falta de respeito consigo próprios e com os leitores.  Falta de respeito, mesmo. Porque outra coisa não é você escrever sem se importar com quem vai ler.

E não falo de erros acietáveis, não! Falo de espaços antes da vírgula (!!!); de "R" onde não tem, e de falta de "R" onde tem; de uso de palavras pra significar uma coisa que não significam, em nenhum sentido; de completa inexistência de acentos ou pontos durante parágrafos inteiros; de "descansar" com ç no lugar do s, de "n" antes de "p" ou "b"...

Realmente não entendo como o indivíduo pode não se incomodar em dizer pro mundo "Olá, eu sou burro!" assim tão descaradamente. Ou pior, ainda achar bonito.

Errar é normal, acontece, tudo bem. Mas errar oito, dez vezes numa postagem só, e erros primários, é uma vergonha! Falta de vergonha, aliás.

Mas, já que é mais fácil ver isso que ver português aceitável por aí, que vire tudo logo a casa-da-mãe-Joana, que, por sinal, eu não sei se escreve com hífen mesmo!

E eu sei que tenho que tratar esse meu "queísmo".

Tenho dito!

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Nossa juventude. Nossa, juventude!?

Eis que me deparo com a seguinte promoção (mais campanha, na verdade...) no Orkut: "Queremos BBB (adolescente)" (!!!).

Nessas horas é que tenho sérias dúvidas quanto ao futuro da nação... ¬¬

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Pro meu amor

Show de letra do Nando Reis, e de interpretação da imortal Cássia Eller. Dedico à minha menina, a quem amo muito. Mas, curtam todos que virem.



Créditos do vídeo: flaviagabby.

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Supletivo, supletivo...

Hoje caminhando na cidade vi um anúncio do seguinte serviço:

"Telemensagem Cupido do Amor"

Imediatamente ocorreu-me (como provavelmente a você também) perguntar ao autor do referido: se o cupido não fosse do amor, seria DÊ QUÊ, cara pálida? Cupido do ódio? Da cachorrada?... Não, já sei! Cupido do Arrocha!

Ou então, cupido é que nem pokémon. Tem cupido de fogo, de água, de terra... e do amor. E a união dos seus poderes dá o Cupidão Planeta (Vaaai planetaa! ¬¬).

Um viva pra (falta de) criatividade do nosso povo e pra esses momentos que nos deixam com cara de pergunta!

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Equilíbrio

Indispensável e extremamente difícil perceber onde está a tênue linha entre querer bem e querer demais, entre esperar algo e exigir demais, fazer bem e fazer demais...
Estranhíssimo de repente ter alguém e se sentir só...

"Queremos saber"

Queremos viver
Confiantes no futuro
Por isso se faz necessário prever
Qual o itinerário da ilusão
A ilusão do poder
Pois se foi permitido ao homem
Tantas coisas conhecer
É melhor que todos saibam
O que pode acontecer
"Queremos Saber" - Gilberto Gil 

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

É a vida...

"(...) estes são os meus princípios. Se você não gostar, eu tenho outros."


 Trecho do "Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil", Fernando Narloch. Frase de Grouxo Marx.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Conhecimento de causa

Tudo bem você não saber muita coisa, ainda vá lá você julgar que pra sua vida você não tem necessidade de uma vida acadêmica.
Quem não sabe, tem dificuldade, mas se esforça pra aprender tem meu respeito. Quem acha desnecessário ir além do ponto onde parou, não tenho nada contra.
Mas aguentar gente que não sabe inventando modinha pra disfarçar a própria ignorância é f...!
Você não sabe, mas tá num ambiente em que deveria saber? Faça como eu: recolha-se a sua insignificância e trate de começar a estudar, mas não passe o ridículo de querer falar difícil. Dá nojo.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Das obviedades camufladas

Certa feita estava conversando com um amigo que tinha acabado de ser sacaneado por uma garota e comentava: hoje em dia, associar o seu nome ao de outra pessoa é um negócio perigoso demais.

Existem mil e um(ns) motivos óbvios pra justificar o comentário, mas tem unzinho mais sutil que pouca gente percebeu até agora: nós somos mal "treinados" para amar. O que a gente aprende é a cultura do "agora ou nunca", do "é meu e ninguém tasca", do "amor eterno à primeira vista", essas coisinhas que, sinto informar caso ainda não tenha percebido, não existem. A gente aprende a se apaixonar, com toda força, toda vontade, todo tudo ao quadrado e meio, e depois quebra a cara e fecha o coração. Aí, ou se desilude de vez e cai na malandragem (pra não usar termo mais apropriado e menos elegante) ou se desilude, e ponto.

Não percebemos que a paixão é um sentimento autofágico e que a eternidade não é uma coisa tão natural quanto parece e, definitivamente, não está ao alcance do ser humano por si só. O que significa duas coisas: primeiro, quanto maior for o fogo da paixão, mais rápido vai tudo pras cucuias. Vale mais um fogo brando que dure muito tempo. Depois, o "pra sempre" geralmente acaba. E, pasme: isso nem precisa ser um trauma.

Isso, obviamente, não quer dizer que você não deve se apaixonar ou fazer planos com sua alma gêmea. Mas tenha em mente que sua vida não é novela das oito. Depois do casamento, não vão subir os créditos e nem rola o "e foram felizes para sempre". Pé no chão é essencial. Sinceridade também. Mas aí, é preciso outro cuidado.

Ser sincero não significa fazer um relatório completo do seu dia e dos seus pensamentos pra outra pessoa (e, muito menos, exigir isso dela). Todo mundo sabe os limites impostos por um relacionamento. Você sabe que suas atitudes tem reflexo sobre o nome da outra pessoa, você tem responsabilidades. Sabendo disso, você tem noção do que deve e do que não deve fazer. Logo, o relatório é desnecessário. Até porque, por mais que os dois se conheçam, é importante que exista algo que ela não sabe sobre você. A descoberta é um dos mais eficientes combustíveis de uma relação saudável.

O que você quer ser: companheiro ou dono? Ajuda se perguntar isso de vez em quando.

Outra ilusão legal é que a gente sempre entra num namoro querendo ser feliz. Eu quero ser feliz com ela. Eu quero ser feliz. Eu quero. EU. Percebeu? Pois é, assim não rola. É mais fácil e mais agradável quando você tenta fazer a outra pessoa mais feliz. E não é fazê-la feliz para sempre, viver num mar de rosas, etc, etc, caixinha de fósforo... Nada disso. São coisas simples. Lembra do Orkut: "ser simples é ser incrível"? Pois é, rapá, o Orkut sabe das paradas, tá ligado? Ninguém precisa ser James Bond pra fazer sua garota se sentir a mais bonita, segura e protegida de todo o mundo por alguns instantes. E é disso que o amor se faz: instantes, cuidado, zelo. Com gestos simples você pode ser o cara mais incrível do mundo (na opinião de mais alguém além da sua mãe).

Só que tem (mais) uma coisa: você não tem tempo de ser o cara mais incrível do mundo quando você não se acha o cara o-que-quer-que-seja. Antes de amar um outro alguém, você tem que estar de bem consigo mesmo. Deve ter bem claro também que, por mais que você ame, há coisas que fogem do seu controle e, às vezes, o máximo que se pode fazer é assistir, dar um sorriso de canto de boca e seguir seu caminho sozinho, nem que seja por um tempo.

Claro, sempre tem aquele que pergunta: "Ah, mas aquela pessoa me completa." Sério? Legal! Isso significa que, até ela, você se virou muito bem incompleto mesmo.

Enquanto se pregam aos quatro ventos o furor, a loucura, o encantamento, o culto às provas (de preferência públicas e extravagantes) de "amor", eu, particularmente, levo mais fé, agora, na tranquilidade, no afeto e no "deixar rolar". Óbvio que isso não é nenhuma fórmula de sucesso garantido, mas torna tudo muito menos cruel e doloroso quando termina, e muito mais sincero quando dá certo.

O fato é que a gente sempre tem duas opções. Ou a gente escolhe confiar, vai devagar e paga pra ver no que dá, ou a gente escolhe desconfiar, tenta viver tudo de uma vez e, cedo ou tarde, transforma uma história que começou bonita num poço de mágoas e frustrações. A primeira opção me parece mais razoável.

Mas, é claro, essa é só a minha teoria sobre o amor. E o amor é algo sobre o qual toodo mundo tem opinião. Então, concordando ou não comigo, fique à vontade pra comentar. Descobrir o que os outros pensam sobre esse tema é sempre interessante.

Abraço, e vamo que vamo.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

BOMBA!

"Ronaldo afirma que Band não sabe fazer jornalismo esportivo."

Pô, parabéns, Ronaldo! Descobriu a América!
Na moral, um prêmio pro Fenômeno pela sua constatação genial. Alguém dá um... sei lá, dá um Globo de Ouro pra ele. Aliás, o Globo de Ouro é a cara dele. E vice-versa.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Matemática: a arte.

Eu não amo matemática. Amar de morrer, amar mesmo, não amo. Mas sou apaixonado. Porque é bonito demais! Uma demonstração bem feita, apoiada em fundamentos sólidos e sutis e em raciocínio sofisticado (mas quase sempre simples) é uma verdadeira obra de arte!

Não é uma ciência do "povão" porque o povão tem preguiça até de ser curioso. Não se tem uma cultura de "parar pra pensar". E matemática exige demais. Mas é lindo. Fico feliz de ter tido a oportunidade de ver todas essas coisas que tenho visto desde cinco anos atrás na peleja da graduação até agora na tentativa da pós.

Os cursos de álgebra, lógica e análise real mudaram meu jeito de lidar com as idéias (com acento, sim, doa a quem doer!), me tornaram mais lúcido, mais hábil com as palavras e mais centrado. Coisas que não se aprende em qualquer lugar.

Aprendi a escrever, inclusive, estudando matemática. Não dá pra ser bom em matemática sem ser no mínimo razoável em português. Como sou um postulante a "bom em matemática", me esforço pra não assassinar demais a ortografria.

Acho que todo mundo, em algum momento da educação básica, deveria ter um curso bom de lógica. Diminuiria bastante a colossal dificuldade das pessoas de interpretar o que lêem.

Aliás, é uma enormidade a quantidade de coisas horríveis que deixaríamos de ver nas provas e redações de vestibuares e ENEM's da vida se o pessoal resolvesse de repente se esforçar um pouquinho em matemática e português, pelo menos.

Mas, c'est la vie... Quem sabe um dia a gente aprende?

domingo, 23 de janeiro de 2011

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

"I love you"

É tão fácil dizer "eu te amo" hoje em dia... Muito legal, isso. Todo mundo se ama, e rápido. Tão bonito... Deve ser por isso que não existe mais falsidade, traição, briga, violência...

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A saudade e os novos tempos

Houve um bom período - quase metade - do ano passado em que saudade (e suas inevitáveis consequências) era praticamente tudo que conseguia sentir. Foi um ano meio surreal e em metade dele eu simplesmente cumpri tarefas que me preencheram os dias e tentei digerir todas as novas informações, lugares, pessoas, fatos... A segunda metade de 2010 eu simplesmente esperei passar. A ideia era que, chegando as férias, eu voltaria a ter uma dose da minha "velha vida" e, portanto, conseguiria ficar calmo o bastante pra me acostumar a tudo, me localizar.

E assim foi, graças a Deus. Foram apenas onze dias, tudo passou muito rápido também, mas me pareceu que eles duraram mais do que os seis meses que os antecederam. Nesses onze dias eu voltei a viver, ao invés de apenas me assistir jogando o jogo da vida. Minha cidade, minha família, meus amigos e minha menina me ofereceram tudo e curaram da sensação de estar simplesmente correndo sem freio...

Estive me perguntando se ia me acostumar aqui, se minha vida era aqui, com essas novas pessoas que tenho conhecido, ou se era lá. Agora me parece que a pergunta não faz mais muito sentido. Minha vida está aqui e está lá.

Vinha me sentindo também meio, digamos... imprestável, vá lá. Sempre trabalhei ou estudei, mas não me sentia crescendo, produzindo. Agora estou estudando, tentando o direito de estudar ainda mais, e me sinto fazendo algo útil e até durmo mais tranquilo.

Está voltando uma sensação de paz comigo mesmo. Tudo vai bem.

PS.: Questão filosófica: "consequências inevitáveis" é pleonasmo? Se x é um fato e y é sua consequência, dado x, y fatalmente acontece? Ou há casos em que dado o fato x, pode-se planejar para que y não ocorra (ou seja, evitar as consequências, tornando o meu "inevitáveis" da expressão necessário apesar de estranho)? Será que eu tô estudando matemática demais? Enfim...

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Ciranda da bailarina

Alguns poucos iluminados tem o dom de fazer poesia fina sobre coisas aparentemente nada a ver, sem graça nenhuma. O Chico Buarque dá um show desse talento na letra da singela "Ciranda da bailarina". Confira no vídeo:



PS.: Na interpretação da Adriana Calcanhotto, fica ainda melhor. Vale dar uma procurada. :)